Direito de imagem: https://www.zimbabweflora.co.zw/speciesdata/images/16/160650-15.jpg

  Publicado em: 12/01/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 2861
Número de cadastro: 10

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Bidens pilosa L.
FAMÍLIA:
Asteraceae.
NOME POPULAR:
Picão, amor-seco, carrapicho, carrapicho-de-agulha, carrapicho-de-duas-pontas, carrapicho-picão, coambi, cambri, cuambu, erva-picão, fura-capa, guambu, macela-do-campo, picão, picão-amarelo, picão-das-horas, picão-do-campo, picão-preto, pico-pico.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Herbácea ereta, anual, ramificada, com odor característico de 50-130 cm de altura, nativa de toda a América tropical. Folhas compostas pinadas, com folíolos de formato tamanho e em número variados. Flores pequenas, reunidas em capítulos terminais. Os frutos são aquênios alongados de cor preta com ganchos aderentes numa das extremidades. Multiplica-se apenas por sementes.
FITOQUÍMICA:
B. pilosa é uma extraordinária fonte de compostos fitoquímicos, pois já foram identificados 201 compostos os quais incluem: 70 compostos alifáticos (36 polyynes), 60 flavonoides, 25 terpenoides, 19 fenilpropanóides, 13 compostos aromáticos, 8 porfirinas e 6 outros compostos.
MARCADOR:
Alguns autores indicam o ácido gálico como marcador para B. pilosa
ALEGAÇÕES:
Icterícia (coloração amarelada de pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo).
Diversas atividades foram avaliadas em estudos farmacológicos in vitro para a espécie Bidens pilosa, dentre estas, as atividades antimicrobiana, antimalárica, antihistamínica, antioxidante, antileishmaniose, antibacteriana, anticarcinogênica, antidiabética, antifúngica, antihelmíntica, antiherpética, antiinflamatória, antiparasitária, antipromastigota, antiviral, fotoprotetora, imunossupressora, imunomoduladora e de alteração da permeabilidade intestinal.
PARTE UTILIZADA:
Folhas.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Infantil.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 2 g (1 colher de sobremesa) em 150 mL (xícacara de chá). Utilizar 1 xícara de chá 4 vezes ao dia.
Não há relatos de uso clínico para a espécie, somente uma publicação no Diário Oficial da União, de 20/07/2010, descreve o uso da espécie da seguinte forma, para tratamento da icterícia:
Uso externo: Banhar com o infuso, logo após o preparo, 2 x ao dia;
Uso interno (Crianças):
3 a 7 anos – Tomar – 35 mL do infuso, logo após o preparo, 3 a 4 x ao dia.
7 a 12 anos – Tomar 75 mL do infuso, logo após o preparo, 3 a 4 x ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não utilizar na gravidez. Caso sejam observadas reações alérgicas, suspender o uso imediatamente. Pacientes com hipersensibilidade as espécies da família Asteraceae, não devem fazer uso da espécie Bidens pilosa.
EFEITOS ADVERSOS:
Informação não encontrada na literatura citada.
Não há relatos de intoxicações por superdosagem com Bidens pilosa na literatura pesquisada. Porém, plantas ricas em fenóis totais, como é o caso da B. pilosa, quando usadas em doses excessivas podem causar irritação da mucosa gástrica e intestinal, gerando vômitos, cólicas intestinais e diarréia.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
GUPTA, MP et al. 270 plantas medicinais iberoamericanas. CYTED. Colômbia. 1995.
SIMÕES, CMO. et. al. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 5ª ed. Editora da Universidade UFRGS. 1998.

Compartilhe!