Direito de imagem: https://cdn.shopify.com/s/files/1/0514/0101/products/Devil_s_Claw_dc54364b-a405-4119-a8f0-198197d428b6.jpg?v=1479760325

  Publicado em: 16/02/2021
  Alterado em: 22/01/2022
Vizualizações: 3034
Número de cadastro: 27

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Harpagophytum procumbens DC.
FAMÍLIA:
Pedaliaceae
NOME POPULAR:
Garra-do-diabo, harpagófito.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Planta rasteira, perene, apresentando uma raiz primária que mede de 20 a 50 cm de comprimento, de onde partem raízes ramificadas tuberosas secundárias, que podem armazenar até 70% de água de seu peso e são estes tubérculos que se utilizam por suas propriedades medicinais. Talos múltiplos; folhas alternas, lobuladas, profundamente recortadas, carnosas, medindo 7 cm de comprimento, margens brancas e aveludadas. As flores são em forma de dedal ou trombeta, crescem isoladamente sobre curtos pecíolos na axila das folhas, de cor rosa-claro ou roxo-púrpura. Os frutos são duros, capsulares, deiscentes, medindo até 10 cm, armados de espinhos em forma de ganchos, de 2,5 cm de comprimento, que atuam como verdadeiros arpões aderindo-se à pele dos animais, facilitando a dispersão das sementes.
FITOQUÍMICA:
Possui glicosídeos iridoides (harpagosídeo, harpagídeo, procumbina, procumbosídeo e seus ésteres p-cumarínicos), que representam cerca de 0,5 a 3% da droga vegetal seca, glicosídeos fenólicos (verbascosídeo, acetosídeo, isoacetosídeo e biosídeo), flavonoides (caempferol, luteolina), fitoesteróis (β-sitosterol, estigmasterol), triterpenoides pentacíclicos (ursanos, oleananos), ácidos orgânicos (ácido cafeico, ácido cinâmico e ácido clorgoênico), aminoácidos e arpagoquinona. Os tubérculos secundários contêm, aproximadamente duas vezes mais harpagosídeos que os tubérculos primários.
MARCADOR:
Harpagosídeo.
ALEGAÇÕES:
Dores articulares (Artrite, artrose, artralgia).
PARTE UTILIZADA:
Raiz.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 1g (1 colher de chá) em 150 ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá, 2 a 3 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não utilizar em portadores de úlceras estomacais e duodenais.
EFEITOS ADVERSOS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. Memento Fitoterápico, 1° Edição, 2016.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
ÍNDICE TERAPÊUTICO FITOTERÁPICO. EPUB. 2008.

Compartilhe!