Direito de imagem: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/7/7c/Star_Anise_Series_%284297746909%29.jpg/1200px-Star_Anise_Series_%284297746909%29.jpg

  Publicado em: 16/02/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 3082
Número de cadastro: 28

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Illicium verum Hook.f.
FAMÍLIA:
Illiciaceae
NOME POPULAR:
Anis-estrelado, anis-da-china, badiana.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Caracterizada por apresentar uma casca branca; grande folhagem composta por folhas pontiagudas, coriáceas e glabras; flores solitárias amarelas ou amarelo-rosadas, com 15-20 pétalas, perfumadas, similares a magnólias; e um fruto cor castanho-avermelhado, lenhoso, pedunculado, composto por 8 folículos que em sua abertura deixam ver uma semente aplanada brilhante em seu interior.
FITOQUÍMICA:
Fruto contém 5-8% de óleo essencial, constituído em sua maior parte por trans-anetol (80-90%), metilchavicol, anisaldeído, limoneno, linalol, 4-terpineol, α-pineno,4-alilanisol; além de óleo fixo e taninos.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Bronquite como expectorante.
PARTE UTILIZADA:
Fruto.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 1,5g (1 ½ colher de chá) em 150 ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá 3 a 4 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não utilizar na gravidez e no hiperestrogenismo.
EFEITOS ADVERSOS:
O uso pode ocasionar reações de hipersensibilidade cutânea, respiratória e gastrintestinal.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Existe um grave perigo de intoxicação com a falsificação do anis estrelado (Illicium verum) pelo fruto de outra espécie Illicium religiosum Sieb. et Zucc. (Illicium anisatum L.), denominado de badiana-do-japão ou anis-estrelado-japonês, o qual não contém anetol, mas contém compostos tóxicos como a anisatina e isoanisatina
REFERÊNCIAS:
ALONSO, JR. Tratado de fitomedicina. Bases clínicas e farmacológicas. ISIS Ed. Argentina. 1998.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
MATOS, FJA. Farmácias vivas. UFC Edições. 3ª ed. Fortaleza. 1998.

Compartilhe!