Direito de imagem: https://hortomedicinal.paginas.ufsc.br/files/2020/01/ESPINHEIRA-SANTA3.jpg

  Publicado em: 16/02/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 3004
Número de cadastro: 34

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Maytenus ilicifolia Mart.
FAMÍLIA:
Celastraceae.
NOME POPULAR:
Espinheira-santa, espinheira-divina, espinho-de-deus, maiteno, salva-vidas, sombra-de-touro, erva-cancrosa, erva-santa, cancerosa, cancorosa, cancorosa-de-sete-espinho, cancrosa, congorça, coromilho-do-campo.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Árvore de pequeno porte ou arbusto grande, crescendo até no máximo 5 m de altura, dotada de copa arredondada e densa, nativa de regiões de altitude do sul do Brasil. Folhas coriáceas e brilhantes, com margens providas de espinhos pouco rígidos. Flores pequenas de cor amarelada. Os frutos são cápsulas oblongas, deiscentes, de cor vermelha, contendo 1-2 sementes de cor preta.
FITOQUÍMICA:
Contém alcaloides (maitanprina, maitansina, maitanbutina), monoterpenoides, sesquiterpenoides, triterpenoides (friedelina, maitenina, friedelanol, pristimerina), fitosteróis (campesterol, simiarenol, brassicasterol, estigmasterol), flavonoides (catequina, epicatequina, quercetina, caempferol), antocianinas, ácidos fenólicos (ácido clorogênico), taninos, saponinas, resina, mucilagem e trações de sais minerais (ferro, cálcio, sódio, enxofre).
MARCADOR:

ALEGAÇÕES:
Dispepsia (distúrbios da digestão), azia e gastrite. Coadjuvante no tratamento episódico de prevenção de úlcera em uso de anti-inflamatórios não esteroidais.

PARTE UTILIZADA:
Folhas.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 1 a 2g (1 a 2 colheres de chá) em 150 ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá de 3 a 4 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Afecções gástricas (atonia, hiperacidez, úlceras gástricas e duodenais, gastrite crônica): em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (sobremesa) de folhas picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos, espere amornar e coe. Tome 1 xícara (chá), antes das principais refeições.
Afecções gástricas (atonia, hiperacidez, úlceras gástricas e duodenais, gastrite crônica): coloque 3 colheres (sopa) de folhas bem picadas em 1 xícara (chá) de álcool de cereais a 70%. Deixe em maceração por 5 dias e coe em um pano. Tome 1 colher (café), diluído em um pouco de água, 10 minutos antes das principais refeições.
Úlceras; feridas; escaras; afecções da pele (acne, eczemas e herpes): coloque 2 colheres (sopa) de folhas picadas e 3 colheres (sopa) de folhas de confrei secas picadas, em 1/2 litro de água em fervura. Desligue o fogo, espere amornar e coe. Aplique, nas partes afetadas, com um chumaço de algodão, de 2 a 3 vezes ao dia.
Fermentações intestinais: em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (sopa) de folhas picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos, espere amornar e coe. Adicione 1 colher (sobremesa) de carvão vegetal em pó. Misture bem. Tome 1 xícara (chá), 2 vezes ao dia entre as principais refeições.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não deve ser utilizado por crianças menores de 6 anos. Não utilizar em grávidas até o terceiro mês de gestação e lactantes, pois promove a redução do leite.
EFEITOS ADVERSOS:
O uso pode provocar secura, gosto estranho na boca e náuseas.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
AMARAL, ACF; SIMÕES, EV; FERREIRA, JLP. Coletânea científica de plantas de uso medicinal. Rio de Janeiro. 2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
GUPTA, MP et al. 270 plantas medicinais iberoamericanas. CYTED. Colômbia. 1995.
LIMA, JLS et al. Plantas medicinais de uso comum no Nordeste do Brasil. Campina Grande, 2006.
MARINGÁ. Guia fitoterápico. 2001.
PROPLAM - Guia de Orientações para implantação do Serviço de Fitoterapia. Rio de Janeiro. 2004.
SIMÕES, CMO. et. al. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 5ª ed. Editora da Universidade UFRGS. 1998.

Compartilhe!