Direito de imagem: https://backwaterbotanics.files.wordpress.com/2014/06/guarana.jpg?w=1024

  Publicado em: 22/02/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 2997
Número de cadastro: 43

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Paullinia cupana Kunth.
FAMÍLIA:
Sapindaceae.
NOME POPULAR:
Guaraná, guarana-uva, guaranazeiro, uaraná
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Arbusto de ramos escandentes ou trepadores, de crescimento vigoroso, podendo seus ramos atingir até 10 m de comprimento. As flores são pequenas, de cor creme e pouco vistosas. Os frutos são cápsulas globosas, de cor vermelho-viva, que se abrem quando ainda na planta, expondo as sementes de cor preta brilhante. É nativo da região Amazônica, principalmente ao longo do rio do mesmo nome, porém hoje já é cultivado em outras regiões tropicais tanto do pais como do exterior. Multiplica-se por sementes.
FITOQUÍMICA:
Contém óleos fixo e essencial, amido, taninos, proantoncianidinas, alcaloides do grupo xantina (cafeína 2 a 7,5%), teobromina e teofilina, saponinas e alantoina.
MARCADOR:
Cafeína.
ALEGAÇÕES:
Fadiga como estimulante.
PARTE UTILIZADA:
Sementes.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Pó: 0,5 a 2g do pó (1 a 4 colheres de café). Utilizar puro ou diluído em água.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Diarreias crônicas; disenterias: coloque 1 colher (sopa) rasa de pó em 1 copo de água filtrada, e acrescente o suco de 1/2 limão. Tome 1 copo, após cada evacuação.
Enxaquecas; hemicrania (dor que afeta uma das metades da cabeça): coloque 1 colher (chá) de pó em 1 xícara (chá) de água em fervura. Desligue o fogo e espere amornar. Tome 1 xícara (chá), 2 vezes ao dia. No caso de enxaqueca muito forte, procure deitar em lugar escuro e sossegado. Mantenha os olhos fechados e relaxe a musculatura do corpo todo, o máximo possível, procurando não pensar em seus problemas.
Estimulante matinal: coloque 1 colher (chá) de pó em 1 copo com água filtrada e acrescente 1 colher (sopa) de mel, ou um pedaço de rapadura. Misture bem. Tome em jejum. Este estimulante faz parte do desjejum matinal de quem vai viajar ou realizar trabalhos prolongados e estafantes.
Máscara facial para pele oleosa: em um recipiente, coloque 2 colheres (sopa) de pó e 2 colheres (sopa) de suco de limão. Acrescente água em quantidade suficiente para que ao misturar bem, tome uma consistência pastosa. À noite, lave o rosto e aplique a pasta, com exceção da região dos olhos. Deixe a máscara agir por 10 minutos. Após, lave o rosto com água fria.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não deve ser utilizado por pessoas com ansiedade, hipertiroidismo, hipertensão, arritmias, problemas cardíacos, estomacais e intestinais, taquicardia paroxística, gastrite e cólon irritável.
EFEITOS ADVERSOS:
Em altas doses pode causar insônia, nervosismos e ansiedade.
Não associar com outras drogas com bases xânticas (café, noz de cola, mate), nem com anti-hipertensivos.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
O nome guaraná é dado também ao produto elaborado com suas sementes e comercializado em forma de bastões ou mesmo moldados, na de animais da fauna Amazônica, segundo as práticas indígenas da região de Maués. Para isso as sementes são separadas dos frutos maduros, por lavagem com água, tostadas e, em seguida, triturados com pouca água para obtenção de uma pasta que é moldada e seca ao sol ou estufas, tornando-se muito duras. Originalmente, ralava-se o bastão em língua seca de pirarucu e misturava-se o pó com água e bebia-se. Hoje o guaraná em pó é obtido por trituração da semente.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
GARCIA, AA. et al. Fitoterapia. Vademécum de prescripción. Plantas medicinales. 3ª ed. 1999.
GRUENWALD, J et al. PDR for herbal medicines. 2000.
MILLS, S; BONE, K. The essential guide to herbal safety. Elservier. 2004.

Compartilhe!