Direito de imagem: https://jb.utad.pt/imagem/28643

  Publicado em: 05/03/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 2840
Número de cadastro: 52

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Punica granatum L.
FAMÍLIA:
Punicaceae.
NOME POPULAR:
Romã, romanzeiro, romanzeira, romeira, granada, milagrada, milagreira, miligra, romeira-de granada, miligrana.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Arbusto ramoso ou arvoreta de até 3 m de altura, com folhas simples, cartáceas, dispostas em grupo de 2 ou 3, de 4-8 cm de comprimento. Flores solitárias, constituídas de corola vermelho-alaranjada e um cálice esverdeado, duro e coriáceo. Frutos do tipo baga, globóides, medindo até 12 cm, com numerosas sementes envolvidas por um arilo róseo, cheio de um líquido adocicado. É, provavelmente, originária da Ásia e espalhada em toda a região do Mediterrâneo e cultivada em quase todo o mundo, inclusive no Brasil.
FITOQUÍMICA:
Raiz: taninos, alcaloides (peletierina, isopeletierina), terpenoides, açúcares (manitol), resinas, ácidos orgânicos, flavonoides, amido, inulina e ácido málico.
Fruto: o suco contém: glicose, frutose, ácidos orgânicos (ascórbico, gálico, elágico, cítrico, cafeico, catequínico, quínico, clorogênico, orto e paracumárico), antocianinas (delfinidina, cianidina e pelargonidina), flavonoides (quercetina, rutina).
Pericarpo: flavonoides, taninos (punicalagina), alcaloides, polissacarídeos e elagitanina.
Flor: ácidos gálico, oleanólico, elágico e ursólico e polifenóis.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Inflamações e infecções da mucosa da boca e faringe como anti-inflamatório e anti-séptico.
PARTE UTILIZADA:
Pericarpo (casca do fruto).
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Tópico.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Decocção: 6g (2 colheres de sopa) em 150ml (xícara de chá). Aplicar no local afetado, em bochechos e gargarejos 3 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Gengivites; sangramento da gengiva; faringites; laringites: em 2 xícaras (chá), coloque 1 colher (sopa) de casca do fruto (pericarpo) e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Faça bochechos ou gargarejos, 2 vezes ao dia.
Infecções vaginais por fungos (corrimento amarelo-esverdeado com mau cheiro e coceira, corrimento branco parecido com leite coalhado, com cheiro de mofo ou massa de pão cru): coloque 2 colheres (sopa) de cascas picadas do caule e do fruto (pericarpo) em 1/2 litro de água em fervura. Deixe ferver por 5 minutos e coe. Espere esfriar e adicione 1 colher (sobremesa) de bicarbonato de sódio. Misture bem. Faça a higiene íntima, com uma ducha vaginal, de 2 a 3 vezes na semana.
Máscara revitalizante: em um pilão, coloque 2 colheres (sopa) de sementes com arilo e amasse bem. Coe em uma peneira para retirar a semente, ficando somente o suco do arilo e adicione 1 colher (sobremesa) de mel. Misture bem. Lave o rosto e pescoço e aplique, com exceção da região dos olhos. Deixe agir por 20 minutos e enxágue com água fria. Repetir, de 2 a 3 vezes na semana.
Sapinhos em recém-nascido: em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (sopa) de flores fatiadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Espere esfriar. Limpe as partes afetadas com um chumaço de algodão, sem esfregar, de 2 a 3 vezes ao dia.
CONTRAINDICAÇÕES:
Informação não encontrada na literatura citada.
EFEITOS ADVERSOS:
Se ingerido, pode provocar zumbido, distúrbios visuais, espasmos na panturrilha e tremores.

CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Não engolir a preparação após o bochecho e gargarejo.
REFERÊNCIAS:
BIESKI, IGC, MARI GEMMA, C. Quintais medicinais. Mais saúde, menos hospitais - Governo do Estado de Mato Grosso. Cuiabá. 2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
MATOS, FJA. Farmácias vivas. UFC Edições. 3ª ed. Fortaleza. 1998.
MATOS, FJA. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha. 2 ed. UFC Edições. 1997b.
MATOS, FJA. Plantas medicinais. Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste Brasileiro. 2ª ed. Editora UFC. Fortaleza, 2000.
MATOS, FJA; VIANA, GSB; BANDEIRA, MAM. Guia fitoterápico. Fortaleza. 2001.
MELO-DINIZ et al. Memento de plantas medicinais. As plantas como alternativa terapêutica. Aspectos populares e científicos. Ed. UFPB. 2006.
MELO-DINIZ et al. Memento Fitoterápico. As plantas como alternativa terapêutica. Aspectos populares e científicos. Ed. UFPB. 1998.
PROPLAM - Guia de Orientações para implantação do Serviço de Fitoterapia. Rio de Janeiro. 2004.
SIMÕES, CMO. et. al. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 5ª ed. Editora da Universidade UFRGS. 1998.
VIANA, GSB; BANDEIRA, MAM; MATOS, FJA. Guia fitoterápico. Fortaleza. 1998.

Compartilhe!