Direito de imagem: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/3/38/Taraxacum_officinale_001.JPG/1200px-Taraxacum_officinale_001.JPG

  Publicado em: 12/03/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 2913
Número de cadastro: 62

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Taraxacum officinale Weber
FAMÍLIA:
Compositae (Asteraceae).
NOME POPULAR:
Dente-de-leão, dente-de-leão-dos-jardins, taraxaco, alface-de-cão, salada-de-toupeira, amargosa, amor-dos-homens, chicória-louca, chicória-silvestre.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Herbácea anual ou perene, acaule, lactescente, com raiz pivotante, de 15-25 cm de altura, nativa da Europa e Ásia. Folhas rosuladas basais, simples, com margens irregular e profundamente partidas, de 10-20 cm de comprimento. Flores amarelas, reunidas em capítulos grandes sobre haste floral oca de até 25 cm de comprimento. Os frutos são aquênios escuro e finos, contendo em uma das extremidades um chumaço de pelos que facilitam a sua flutuação no vento. Multiplica-se principalmente por sementes.
FITOQUÍMICA:
Látex; óleo-resina; alcalóides (taraxina - somente na raiz); princípiofor temente amargo (taraxicina - somente na raiz); taninos; sais minerais (potássio); carotenóides; fitosterol; colina.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Dispepsia (distúrbios digestivos), estimulante do apetite e como diurético.
PARTE UTILIZADA:
Toda a planta.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Decocção: 3 a 4g (3 a 4 colheres de chá) em 150ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá 3 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Distúrbios da função digestiva (estomacal, hepática, biliar, intestinal e prisão de ventre); diurético: coloque 1 colher (sopa) de raízes picadas em 1 xícara (chá) de água. Deixe em maceração por 1 noite. No dia seguinte, leve ao fogo e quando ferver, desligue e coe. Tome 1/2 xícara (chá) de manhã, 30 minutos antes do desjejum e a outra 1/2 xícara (chá), 30 minutos após o desjejum.
Distúrbios da função digestiva (estomacal, hepática, biliar, intestinal e prisão de ventre); diurético: em um pilão, coloque 2 colheres (sopa) de raízes e foIhas picadas. Amasse bem e adicione 1 xícara (chá) de álcool de cereais a 75%. Deixe em repouso por 3 dias e coe. Tome 1 colher (chá), diluído em um pouco de água, antes das principais refeições.
Distúrbios da função digestiva (estomacal, hepática, biliar, intestinal e prisão de ventre); diurético: coloque 3 colheres (sopa) de raízes e folhas picadas em 1 garrafa de vinho branco. Deixe em maceração por 10 dias e coe. Tome 1 cálice, antes das principais refeições.
Afecções da pele do rosto (pruridos, eczemas, escamações e vermelhidão); irritação dos olhos: coloque 1 colher (sopa) de raízes picadas em 1 xícara (chá) de água em fervura. Deixe ferver por 5 minutos. Coe e adicione 1 colher (sobremesa) de mel. Aplique no rosto, inclusive nas pálpebras, com um chumaço de algodão, 2 vezes ao dia, sendo de preferência, uma à noite, antes de deitar.
Inapetência: coloque 10 capítulos florais frescos em 1 e 1/2 xícara (chá) de água em fervura. Deixe ferver por 15 minutos. Coe em um pano, espremendo bem o resíduo. Leve ao fogo novamente e deixe ferver até reduzir o líquido pela metade. Desligue o fogo e adicione igual porção de mel. Use para passar no pão, às refeições.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não deve ser utilizado por pessoas portadoras de obstrução dos dutos biliares e do trato intestinal. Na ocorrência de cálculos biliares, consultar profissional de saúde antes do uso.
EFEITOS ADVERSOS:
O uso pode provocar hiperacidez gástrica e hipotensão (queda da pressão).
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Não utilizar em menores de dois anos
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
OMS. Organização Mundial da Saúde. WHO monographs on selected medicinal plantas. Vol. 3. 2007.
WITCHL, M et al. Herbal drugs and phytopharmaceuticals. A handbook for practice on a scientific basis. 3 ed. Medpharm. CRC Press. Washington. 2004.

Compartilhe!