Direito de imagem: https://revistafitos.far.fiocruz.br/public/journals/1/cover_article_453_pt_BR.jpg

  Publicado em: 15/03/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 3006
Número de cadastro: 65

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Vernonia polyanthes Less.
FAMÍLIA:
Compositae (Asteraceae).
NOME POPULAR:
Assa-peixe, chamarrita, assapeixe-branco, cambará-guaçu, cambará-açu, cambará-branco, estanca-sangue, tramanhém, mata-pasto, erva-preá
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Arbusto grande ou arvoreta, perene, ereto, pouco ramificado, rizomatoso, de caules pubescentes de coloração acinzentada, com 1-3 m de altura, nativo da Bahia e Minas Gerais até Santa Catarina, principalmente na orla Atlântica. Folhas simples, ásperas ao tato, de coloração levemente mais clara na face inferior, de 10-24 cm de comprimento. Flores esbranquiçadas, melíferas, reunidas em capítulos pequenos dispostos em panículas terminais. O florescimento ocorre no início do inverno, ocasião em que as plantas começam a fenecer para rebrotar novamente na primavera. Multiplica-se principalmente por sementes.
FITOQUÍMICA:
Estudos fitoquímicos realizados a partir dos extratos metanólicos e clorofórmico mostraram a presença de terpenoides (α-humuleno, α-amirina, α-amirina, lupeol, carbenoxolona, ácido oleanólico, ácido ursólico), fitosteróis (estigmasterol), lactonas sesquiterpênicas (tri-decapentaineno, germacreno D, biciclegermacreno, e hirsutinolida), cumarinas, alcaloides e flavonoides.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Na medicina tradicional brasileira é considerada diurética, balsâmica, antirreumática, e muito utilizada no caso de bronquites e tosses persistentes.
A infusão das raízes é indicada como diurética, para o tratamento de hemoptises e abscessos internos. O chá das folhas é usado em tosses noturnas e bronquite e para eliminar cálculos renais. Externamente em compressas nas afecções de pele, dores musculares e reumatismo.
PARTE UTILIZADA:
Folhas.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 3g (1 colher de sopa) em 150ml (xícara de chá). Gargarejar e, em seguida, ingerir 1 xícara (150 ml) 3 vezes ao dia.
Tópico: Aplicar sobre a área afetada 2 vezes ao dia durante 2 horas de cada vez
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Diurético; eliminador de cálculos renais: coloque 3 colheres (sopa) de folhas picadas, em pedaços bem pequenos, em 1 litro de água em fervura. Desligue o fogo, espere amornar e coe. Coloque em uma garrafa térmica. Tome à vontade durante o dia, até às 17:00 h. O paciente deve procurar urinar na posição deitada.
Tosses rebeldes; bronquites; gripes: em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (sopa) de folhas bem fatiadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara (chá), de 1 a 3 vezes ao dia, podendo ser adoçado com mel.
Afecções da pele; dores musculares; reumatismo: em um pilão, coloque 3 colheres (sopa) de folhas frescas fatiadas. Amasse bem, até adquirir a consistência de uma pasta. Espalhe em um pano ou gaze e aplique no local afetado, 2 vezes ao dia, deixando agir por 2 horas.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não deve ser utilizada durante a gravidez e lactação.
EFEITOS ADVERSOS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
LORENZI, H.; MATOS, F.J.A Plantas medicinais no Brasil. Nativas e exóticas. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002.

Compartilhe!