Direito de imagem: https://149366112.v2.pressablecdn.com/wp-content/uploads/2018/10/shutterstock_702814615.jpg

  Publicado em: 15/03/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 2924
Número de cadastro: 66

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Zingiber officinale Roscoe
FAMÍLIA:
Zingiberaceae.
NOME POPULAR:
Gengibre, mangarataia, gengivre, gingibre, mangarataia, mangaratiá.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Erva rizomatosa, ereta, com cerca de 50 cm de altura. Folhas simples, invaginantes, de 15-30 cm de comprimento. Flores estéreis de cor branco-amarelada. Rizoma ramificado, de cheiro e sabor picante, agradável. É originária da Ásia e cultivada no Brasil.
FITOQUÍMICA:
O rizoma contém óleo essencial (1 a 4%) (bisaboleno, zingibereno, canfeno, α-pineno, cimol, citral, borneol, mirceno, limoneno, sesquifelandreno, gingeróis, gingeronas e shagaol) e óleo resina. Há uma discreta variação na composição do óleo essencial de acordo com a origem geográfica. Entretanto, os constituintes responsáveis por seu aroma permanecem inalterados. Contém ainda compostos fenólicos que conferem sabor picante (gingeróis e shogaóis), carboidratos, principalmente amido (40 a 60%); proteínas (9 a 10%); lipídios (6 a 10%) constituídos de triglicerídeos, ácido fosfatídico, lecitina e ácidos graxos; vitaminas (niacina e vitamina A); sais minerais e aminoácidos.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Enjôo, náusea e vômito da gravidez, de movimento e pós operatório. Dispepsias em geral.
PARTE UTILIZADA:
Rizomas.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto e Infantil.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Decocção: 0,5 a 1g (1 a 2 colheres de café) em 150ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá de 2 a 4 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Cólicas intestinais; eliminador de gazes do estômago e intestino; estimulante da digestão: em 1 xícara (chá). coloque I colher (sobremesa) de rizoma fatiado e adicione água fervente. Abafe por 5 minutos e coe. Tome 1 xícara (chá), nas principais refeições.
Dores reumáticas; cólicas intestinais; eliminador de gases do estômago e intestino; estimulante da digestão: em um pilão, coloque 2 colheres (sopa) de rizoma picado. Amasse bem e adicione 1 xícara (chá) de álcool de cereais a 90%. Deixe em maceração por 5 dias. Coe e armazene em frasco escuro. Tome 1 colher (café), diluído em um pouco de água, 2 vezes ao dia.
Reumatismo; artrite; entorses; dores musculares; nevralgias: em um pilão, coloque 1 colher (chá) de rizoma picado, 1 colher (chá) de pimenta vermelha ardida, 1 colher (chá) de mastruço e 1 xícara (café) de óleo de cozinha. Amas se muito bem. Leve essa mistura ao fogo em banho-maria, por 2 horas. Coe e ainda morno, aplique na região dolorida, 2 vezes ao dia, fazendo ligeira massagem. Cubra em seguida, para aquecer o local.
Asma brônquica; bronquite; amigdalite; rouquidão; tosse: em 1 xícara (café), coloque 1 colher (sopa) de rizoma fatiado e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos, coe e acrescente 2 xícaras (café) de açúcar mascavo e o suco de 1 limão. Misture bem até dissolver o açúcar. Tome 1 colher (sopa), 3 vezes ao dia. Para crianças dar somente 1 colher (sobremesa), 3 vezes ao dia.
Sinusite; rinite: em um recipiente com um litro de água em fervura, coloque 1 colher (sopa) de rizoma fatiado. Desligue o fogo, cubra a cabeça com um pano e inale os vapores que se desprendem, de manhã e à noite, antes de dormir. Cautela quanto ao sereno.
CONTRAINDICAÇÕES:
Em casos de cálculos biliares, utilizar apenas com acompanhamento de profissional de saúde. Evitar o uso em pacientes que estejam usando anticoagulantes, com desordens de coagulação, ou com cálculos biliares; irritação gástrica e hipertensão, especialmente em doses altas. Evitar o uso em menores de seis anos.
EFEITOS ADVERSOS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
MILLS, S; BONE, K. The essential guide to herbal safety. Elservier. 2004.
OMS. Organização Mundial da Saúde. WHO monographs on selected medicinal plantas. Vol. 1. 1999.
WITCHL, M et al. Herbal drugs and phytopharmaceuticals. A handbook for practice on a scientific basis. 3 ed. Medpharm. CRC Press. Washington. 2004.

Compartilhe!