Direito de imagem: https://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2020/01/andiroba-1450806692.jpg

  Publicado em: 19/03/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 2224
Número de cadastro: 70

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Carapa guianensis Aubl.
FAMÍLIA:
Meliaceae
NOME POPULAR:
Andiroba, andiroba-branca, andiroba-do-igapó, andiroba-saruda, andiroba-vermelha, andirobeira, angiroba, comaçar, mandiroba, yandiroba, caropá, carapinha, gendiropa, jandiroba, abocidan, andiroba-aruba.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Árvore de 20-30 m de altura, de copa globosa densa, com tronco de 50-120 cm de diâmetro, nativa de toda a região Amazônica, em várzeas secas e alagadiças, bem como no norte do Brasil do Pará até o sul da Bahia. Folhas compostas pinadas de 80-120 cm de comprimento, com 12-18 foliolos. Flores discretas, pequenas, perfumadas, de cor creme. Os frutos são cápsulas lenhosas, globoso-anguladas, deiscentes, de 8-14 cm de diâmetro, contendo 5-10 sementes de 4-5 cm de comprimento.
FITOQUÍMICA:
As plantas da família Meliaceae são caracterizadas por conter substâncias de gosto amargo, conhecidas como tetranortriterpenos (meliacinas) ou limonoides, presentes nas cascas, sementes e outras partes do vegetal. O óleo da semente contém ácidos graxos (mirístico [18,1%], palmítico [9,3%], oleico [58,9%], linoleico [9,2%], esteárico [7,8%] e araquídico [1,2%]), limonoides (17β-hidroxiazadiradiona, xiloccesina k, gedunina, 7-desacetilgedunina, 60-acetoxigedunina, 7-desacetoxi-7-oxogedu nina, 1,2-di-hidro-3-β-hidroxi-7-desacetoxi-7-oxogedunina e angolensato de metila), fitosteróis (β-sitosterol, campesterol, estigmasterol). Outros constituintes da classe dos limonoides continuam sendo estudados, isolados e caracterizados por pesquisadores japoneses.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
O óleo das sementes é um dos produtos medicinais da Floresta Amazônica mais vendidos para uso externo pelas suas propriedades anti-inflamatórias contra dores reumáticas e musculares e repelente de insetos. Na medicina popular, seu óleo é utilizado para aliviar contusões, edemas, reumatismo, para auxiliar na cicatrização e recuperar a pele. É também usado no Brasil, tanto puro como em mistura com outros produtos naturais, topicamente para ferimentos e escoriações, ou na forma de massagens terapêuticas por atletas e praticantes de artes marciais.
PARTE UTILIZADA:
Óleo das sementes.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Tópico.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Óleo vegetal: Óleo aplicado diretamente na região afetada, puro ou associado, em compressas e fricções.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Informação não encontrada na literatura citada.
EFEITOS ADVERSOS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
LORENZI, H.; MATOS, F.J.A Plantas medicinais no Brasil. Nativas e exóticas. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002.
PANIZZA, Sylvio. Plantas que curam: cheiro de mato. 4. ed. São Paulo: IBRASA, 1997. 279 p
SAAD, G. A et al. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica, 2ª edição. Guanabara Koogan, 2016.

Compartilhe!