Direito de imagem: https://worldoffloweringplants.com/wp-content/uploads/2018/08/Costus-spicatus-Spiked-Spiralflag-Ginger2.jpg

  Publicado em: 23/08/2021
  Alterado em: 30/08/2021
Vizualizações: 2020
Número de cadastro: 75

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Costus spicatus (Jacq.) Sw.
FAMÍLIA:
Zingiberaceae (Costaceae)
NOME POPULAR:
Cana-do-brejo, cana-de-macaco, cana-mansa, periná, pobre-velha, canafista, canarana, cana-do-mato, heparena, jacucanga, caatinga, cana-branca, paco-caatinga, pacová.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Planta perene, rizomatosa, ereta, cespitosa, não ramificada, de 1 a 2 metros de altura, nativa em quase todo o Brasil, principalmente na mata Atlântica e região Amazônica. Folhas alternas, membranáceas, dotadas de bainhas papiráceas, velutina em ambas as faces, de 25 a 40 cm de comprimento por 6 a 10 cm de largura. Inflorescências em espigas terminas estrobiliformes, com grandes brácteas vistosas de cor vermelha, que protegem as flores de cor amarelada. Multiplica-se tanto por sementes como por rizomas.
FITOQUÍMICA:
Contém flavonoides e/ou compostos fenólicos (tamarixetina, canferídio, quercetina), saponinas, polissacarídios, pectinas, mucilagem, taninos e heterosídeos cianogênicos. A presença de saponinas parece ser uma característica da família, e os autores citam a presença de alcaloides em folha, caule e rizoma.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Considerada depurativa, adstringente, sendo as raízes indicadas como diurético, tônico, enemagogo e diaforético. O chá do caule é utilizado em gonorreia, sífilis, nefrite, picada de insetos, problemas da bexiga e diabetes. Externamente é usada em banhos contra a leucorreia e úlceras.
PARTE UTILIZADA:
Folha, caule e raiz.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Tintura 20%: tomar 10 a 50 ml ao dia.
Extrato fluido: tomar 2 a 10 ml ao dia.
Xarope: 20 a 100 ml ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Infusão: Colocar 1 litro de água quase fervente sobre pedaços cortados de uma folha; cobre-se e deixa-se esfriar. O chá deverá obter a coloração amarelada e não rósea, pois a cor avermelhada indica que houve oxidação de alguns de seus constituintes.
Decocção: cozinhar por 5 minutos 1 colher de sobremesa de folhas picadas em 1 xícara de chá de água. Cobrir, deixar descansar por 10 minutos, coar e tomar 2 xícaras ao dia, pela manhã e à noite. A decocção pode ser utilizada em banhos de assento para irritações vaginais.
CONTRAINDICAÇÕES:
Informação não encontrada na literatura citada.
EFEITOS ADVERSOS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
LORENZI, H.; MATOS, F.J.A Plantas medicinais no Brasil. Nativas e exóticas. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002.
SAAD, G. A et al. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica, 2ª edição. Guanabara Koogan, 2016.

Compartilhe!