Direito de imagem: https://fsm2009amazonia.org.br/wp-content/uploads/2020/07/arnica.jpg

  Publicado em: 11/01/2021
  Alterado em: 26/07/2021
Vizualizações: 3067
Número de cadastro: 8

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Arnica montana L.
FAMÍLIA:
Asteraceae.
NOME POPULAR:
Arnica, arnica-verdadeira, arnica-das-montanhas, panacéia-das-quedas, tabaco-das-montanhas, quina-dos-pobres.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
É uma planta originária das regiões montanhosas do norte da Europa, de terras silicosas. Apresenta inflorescências terminais grandes, eretas, ramificadas com numerosos capítulos pequenos de cor amarelada ou alaranjada, sendo cultivado em bordaduras ou em canteiros a pleno sol. O cultivo no Brasil é de adaptação e muito difícil.
FITOQUÍMICA:
Lactonas sesquiterpenóides (helenalina, diidroxihelenalina), glicosídeos flavonóides, taninos, resinas, cumarinas (umbeliferona, escopoletina), ceras, carotenóides, inulina, arnicacina; fitosterina: ácidos orgânicos (clorogênico, cafeico); óleo essencial: triterpenos (arnidiol, pradiol e amisterina)
MARCADOR:
Lactonas sesquiterpênicas totais expressas em tiglato de diidrohelenalina
ALEGAÇÕES:
Traumas, contusões, torções, edemas devido a fraturas e torções. Hematomas.
Arnica Gel® é indicado para o tratamento de contusões, hematomas e equimoses (manchas escuras ou azuladas que ocorrem na pele devido a uma infiltração de sangue; na maior parte dos casos, aparecem após um traumatismo, mas podem também aparecer espontaneamente em sujeitos que apresentam fragilidade capilar ou um distúrbio de coagulação).
PARTE UTILIZADA:
Flores.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Tópico.
USO:
Adulto e Pediátrico acima de 12 anos.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Arnica Gel® deve ser aplicada, via tópica, várias vezes ao dia. Massagear suavemente a região afetada, previamente higienizada.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Infusão: 3g (1 colher de sopa) em 150ml (xícara de chá). Aplicar compressa na área a ser tratada de 2 a 3 vezes ao dia
CONTRAINDICAÇÕES:
Não utilizar por via oral, pois pode causar gastrenterites e distúrbios cardiovasculares, falta de ar e morte. Não aplicar em feridas abertas.
EFEITOS ADVERSOS:
Pode, em casos isolados, provocar reações alérgicas na pele como vesiculação e necrose. Não utilizar por um período superior a 7 dias pois o uso prolongado pode provocar reações do tipo dermatite de contato (irritação da pele), formação de vesículas e eczemas.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Evitar o uso em concentrações superiores às recomendadas.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
MILLS, S; BONE, K. The essential guide to herbal safety. Elservier. 2004.
PROPLAM - Guia de Orientações para implantação do Serviço de Fitoterapia. Rio de Janeiro. 2004.
SIMÕES, CMO. et. al. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 5ª ed. Editora da Universidade UFRGS. 1998.
WITCHL, M et al. Herbal drugs and phytopharmaceuticals. A handbook for practice on a scientific basis. 3 ed. Medpharm. CRC Press. Washington. 2004.

Compartilhe!