Direito de imagem: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/19/Cimicifuga_racemosa_002.jpg

  Publicado em: 11/10/2021
  Alterado em: 25/10/2021
Vizualizações: 1386
Número de cadastro: 83

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Cimicifuga racemosa (L.) Nutt.
FAMÍLIA:
Ranunculaceae
NOME POPULAR:
Cimicífuga.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Herbácea perene, medindo entre 1 e 3 metros de altura, rizoma escuro e grosso, folhas grandes, alternas, composta por 2 a 5 folíolos lobulados e dentados. Inflorescência branco-creme brilhantes, de aroma fétido, dispostas em um racemo terminal que aparecem entre o verão e o outono. 
FITOQUÍMICA:
Os constituintes mais importantes da cimicífuga são os glicosídeos triterpênicos (acteína, deoxiacetilacteol, 27-deoxiacteína, racemosídeo, cimifugosídeo). Além disso, contém flavonoides, óleo essencial, ácidos orgânicos (acético, butírico, fórmico, isoferúlico, salicílico), ácidos graxos (oleico, palmítico), taninos e 15 a 20% de resina (cimicifugina). Ao contrário de matérias publicadas, essa espécie não contém formononetina, kaempferol nem genisteína.
MARCADOR:
Glicosídeos triterpênicos.
ALEGAÇÕES:
Síndrome climatérica, especialmente para alívio dos fogachos e para aumento da massa óssea. Indicada em pacientes que têm contraindicação da reposição hormonal convencional TPM e dismenorreia.
PARTE UTILIZADA:
Rizoma
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Extrato fluido 1:1 (álcool 90%): 0,3 a 2,0 m/ dia.
Tintura 1:10 (40 a 60% álcool): 2 a 4 m//dia Extrato seco padronizado (2,5% de triterpenoides): 40 a 320 mg/dia.
Rizoma seco 0,5 a 1 g: 3 vezes/dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Contraindicada na gestação e na lactação.
EFEITOS ADVERSOS:
Doses excessivas levam a náuseas, vômitos, vertigem, bradisfigmia, transtornos nervosos e vi suais.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
ALONSO, JR. Tratado de fitomedicina. Bases clínicas e farmacológicas. ISIS Ed. Argentina. 1998.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. Memento Fitoterápico, 1° Edição, 2016.
SAAD, G. A et al. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica, 2ª edição. Guanabara Koogan, 2016.

Compartilhe!