Direito de imagem: https://media.istockphoto.com/photos/closeup-on-hawthorne-berries-picture-id1169978205?k=6&m=1169978205&s=612x612&w=0&h=qzL7fZvpUGxytMVHnoRE_ORXqYy13J1WBLymfkCFnS8=

  Publicado em: 08/11/2021
  Alterado em: 22/11/2021
Vizualizações: 1227
Número de cadastro: 87

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Crataegus oxycantha Lindm.
FAMÍLIA:
Rosaceae
NOME POPULAR:
Crataego, espinheiro-alvar.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
O crataego é um arbusto ou pequena árvore que pode alcançar os 10 m de altura. Tem um tronco simples ou muito ramificado desde a base, formando uma copa muito variável. As folhas são compridas, obovadas, com 3 a 7 lobos, apresentando uma tonalidade verde-escura brilhante na parte superior, sendo claras e baças na parte inferior. As flores são brancas róseas reunidas em corimbos e os frutos (bagas) são globosos ou ovoides, brilhantes de cor vermelha ou de cor castanho avermelhado. A floração ocorre de abril a maio.
FITOQUÍMICA:
Contém procianidinas oligoméricas (catequina, epicatequina e procianidina B₂), flavonoides (derivados do quercetol, como a quercetina, hiperosídeo, rutina e luteolina-O-glicosídeo e derivados do apigenol como a vitexina, vitexina-2"-O a-L-rhamnosídeo, monoacetil-vitexina-rhamnosídeo), compostos fenólicos (ácidos cafeico e clorogênico), fitosteróis (β-sitosterol), triterpenoides (ácido oleanólico, ácido ursólico e ácido crataególico), taninos, aminas (β-fenetilamina, tiramina e acetilcolina) e sais minerais.
MARCADOR:
Flavonoides totais (hiperosídeo)
ALEGAÇÕES:
É usado para o tratamento de perturbações cardíacas, colesterol, insônias, irritabilidade e retenção de líquidos. Previne a destruição do colágeno, diminui a inflamação e a fragilidade dos capilares. No entanto, as principais indicações têm a ver com a insuficiência cardíaca classe I e II da classificação funcional NYHA (New York Heart Association), tendo sido o seu uso aprovado pela comissão E. Demonstra também efeitos positivos em arritmias cardíacas, como regulador da pressão arterial e sedativo.
PARTE UTILIZADA:
Folha, flor e fruto.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Planta seca: 1 a 5 g/dia.
Pó: 500 mg a 2 g/dia.
Extrato seco 1:4 padronizado em 1,5% de vitexina: 300 mg, 2 a 3 vezes/dia Tintura: 30 a 50 gotas.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Contraindicado na gravidez, pois diminui o tônus e a motilidade uterina. Por falta de dados, evitar o uso durante a lactação.
EFEITOS ADVERSOS:
Foram observados, em um número pequeno de casos, rash cutâneo, cefaleia, sudorese, tontura, palpitações, sonolência, agitação e sintomas digestivos.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
C. oxyacantha vem sendo utilizada como alimento e remédio em todo o mundo há séculos. Os chineses a utilizam no tratamento de várias doenças, como problemas digestivos, hiperlipidemias, deficiências na circulação e dispneia por broncospasmo. Na Europa são empregados os frutos, as folhas e flores como cardiotônico, diurético e para combater a aterosclerose.
REFERÊNCIAS:
SAAD, G. A et al. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica, 2ª edição. Guanabara Koogan, 2016.

Compartilhe!