Direito de imagem: https://1.bp.blogspot.com/-87zDEY8K7yA/XwDM1nmGDoI/AAAAAAAAA3g/Oi3w5OQyVswl3A3mv_4hvH5YyUK804cmQCLcBGAsYHQ/s1600/Syzygium%2Baromaticum.png

  Publicado em: 10/11/2021
  Alterado em: 29/11/2021
Vizualizações: 1256
Número de cadastro: 88

Deseja receber informações sobre plantas medicinais no seu email?


NOME BOTÂNICO:
Syzygium aromaticum (L.) Merr. & L.M.Perry
FAMÍLIA:
Myrtaceae
NOME POPULAR:
Cravo-da-índia, craveiro-da-índia, craveiro, cravinho, cravinho-da-índia, cravo, cravo-aromático, cravo-de-doce, cravo-das-molucas, cravo-de-cabecinha, cravo-fétido, cravo-girofle, girofle, girofleiro
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Árvore sempre verde, de copa alongada característica, de até 10 m de altura. Folhas inteiras, oblongas, longo-pecioladas, aromáticas, de 7-11 cm de comprimento. Flores longo-pedunculadas, pequenas, aromáticas, róseas ou avermelhadas, dispostas em corimbos terminais. Frutos do tipo drupa elipsóide, de cor vermelha. É originária da Índia e cultivada em vários países tropicais, inclusive no Brasil.
FITOQUÍMICA:
O principal constituinte é o óleo essencial, caracterizado pela presença de eugenol, um fenol, (60 a 95%), acetato de eugenila (2 a 27%) e α e β-cariofileno (5 a 10%), carvacrol, humuleno e α-humuleno. Contém flavonoides (quercetina e derivados do caempferol), taninos, ácidos fenólicos (ácido gálico) e pequenas quantidades de esteróis e óleo fixo.
MARCADOR:
A droga vegetal consiste de botões florais secos de Syzygium aromaticum (L.) Merr. & L.M.Perry, contendo, no mínimo, 15,0% de óleo volátil.
ALEGAÇÕES:
Estimulante das funções digestivas, tratamentos respiratórios, transtornos alimentares, enxaguatório bucal.
PARTE UTILIZADA:
Botões florais
VIA DE ADMINISTRAÇÃO:
Oral.
USO:
Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Planta seca: 2 a 4 g/dia.
Pó: 0,1 a 1 g/dia.
Tintura (1:5, 25% etanol): 10 a 15 ml/dia.
Extrato fluido (1:1): 2 a 5 ml/dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Informação não encontrada na literatura citada.
CONTRAINDICAÇÕES:
Em casos de alergia às plantas da família das Mirtaceae.
EFEITOS ADVERSOS:
O óleo essencial ou o eugenol, em altas doses, pode causar irritação gástrica, queimadura da mucosa e inflamação da pele.
Pode causar dermatite de contato.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Informação não encontrada na literatura citada.
REFERÊNCIAS:
ALONSO, JR. Tratado de fitomedicina. Bases clínicas e farmacológicas. ISIS Ed. Argentina. 1998.
BRASIL. Farmacopeia Brasileira. 6ª ed. Volume 2. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa. 2019
Influência do horário de colheita das folhas na composição química do óleo essencial de colônia (Alpinia zerumbet) / Kirley Marques Canuto... [et al.]. – Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2015
LORENZI, H.; MATOS, F.J.A Plantas medicinais no Brasil. Nativas e exóticas. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002.
SAAD, G. A et al. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica, 2ª edição. Guanabara Koogan, 2016.

Compartilhe!