Planta medicinal Erva cidreira brasileira
Autor: Eduardo Maia
  Publicado em: 04/08/2022
  Alterado em: 05/08/2022
Vizualizações: 16


Conheça as propriedades medicinais da Erva cidreira brasileira (Lippia alba)



NOME BOTÂNICO: Lippia alba (Mill.) N.E.Br.
FAMÍLIA: Verbenaceae.
NOME POPULAR:
Erva-cidreira, erva-cidreira-brasileira, chá-de-tabuleiro, cidrila, erva-cidreira-de-arbusto, alecrim-selvagem, cidreira-brava, falsa-melissa, falsa-melissa, erva-cidreira-do-campo, cidreira carmelitana, salva, salva-do-brasil, salva-limão, alecrim-do-campo, salva-brava, sálvia.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Subarbusto de morfologia variável, alcançando até um metro e meio de altura, raramente dois metros, nativa de quase todo o território brasileiro. Seus ramos são finos. esbranquiçados, arqueados, longos e quebradiços. As folhas são inteiras, opostas, de bordos serreados e ápice agudo, de 3-6 cm de comprimento. Flores azul-arroxeadas, reunidas em inflorescências axilares capituliformes de eixo curto e tamanho variável. Os frutos são drupas globosas de cor róseo-arroxeada.
FITOQUÍMICA:
Contém óleo essencial (0,5 a 1,5%) (geranial, neral, β-cariofileno, metil-heptenona, citronelal, geraniol, borneol, óxido de cariofileno, borneol, cis-α-bisaboleno, limoneno, 1,8-cineol, mirceno, carvona), iridoides (geniposídeo, tevesídeo), fenilpropanoide (verbascosideo) e flavonoides.
Foram separadas espécies, de acordo com a composição química (quimiotipos) do óleo essencial, em três tipos fundamentais: a primeira caracterizada por elevados teores de citral, mirceno e limoneno, a segunda por altos teores de citral e limoneno e a terceira com elevados teores de carvona e limoneno.
O primeiro quimiotipo rico em citral, mirceno e o segundo em que predominam citral e limoneno têm ação calmante e espamolítica suaves, atribuídas ao citral e atividade analgésica por causa do mirceno, enquanto o segundo tipo, além dessas ações, tem atividade sedativa e ansiolítica, e o terceiro tipo tem atividade mucolítica, contribuindo para fluidificar a secreção dos brônquios, facilitando a expectoração. Além disso, a espécie rica em citral é eficaz no alívio de pequenas crises de cólicas uterinas e intestinais, bem como no tratamento de nervosismo e ansiedade.
MARCADOR:
Informação não encontrada na literatura citada.
ALEGAÇÕES:
Quadros leves de ansiedade e insônia, como calmante suave. Cólicas abdominais, distúrbios estomacais, flatulência (gases), como digestivo, e expectorante.
PARTE UTILIZADA: Partes aéreas.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO: Oral.
USO: Adulto e Pediátrico acima de 12 anos.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 1 a 3g (1 a 3 colher de chá) em 150 ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá de 3 a 4 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Xarope: pesos iguais do infuso e açúcar, aquecer lentamente até ficar homogêneo. Tomar 10 ml 3 a 6 vezes/dia (nas gripes e como expectorante).
CONTRAINDICAÇÕES:
Uso cuidadosamente em pessoas com hipotensão (pressão baixa).
EFEITOS ADVERSOS:
Doses acima da recomendada podem causar irritação gástrica, bradicardia (diminuição da frequência cardíaca) e hipotensão (queda da pressão).
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
Popularmente não se recomenda para crianças de 0 a 5 anos.
REFERÊNCIAS:
BIESKI, IGC, MARI GEMMA, C. Quintais medicinais. Mais saúde, menos hospitais - Governo do Estado de Mato Grosso. Cuiabá. 2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
GILBERT, B; FERREIRA, JL; ALVES, LF. Monografias de plantas medicinais brasileiras e aclimatadas. Curitiba. ABIFITO. 2005.
GUPTA, MP et al. 270 plantas medicinais iberoamericanas. CYTED. Colômbia. 1995.
IEPA. Farmácia da terra - Plantas medicinais e alimentícias. 2ª ed. Macapá. 2005.
MATOS, FJA. Farmácias vivas. UFC Edições. 3ª ed. Fortaleza. 1998.
MATOS, FJA. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha. 2 ed. UFC Edições. 1997b.
MATOS, FJA. Plantas medicinais. Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste Brasileiro. 2ª ed. Editora UFC. Fortaleza, 2000.
MATOS, FJA; VIANA, GSB; BANDEIRA, MAM. Guia fitoterápico. Fortaleza. 2001.
MELO-DINIZ et al. Memento Fitoterápico. As plantas como alternativa terapêutica. Aspectos populares e científicos. Ed. UFPB. 1998.
PROPLAM - Guia de Orientações para implantação do Serviço de Fitoterapia. Rio de Janeiro. 2004.

Gostou desse conteúdo? Então compartilhe!

Eduardo Maia
Farmacêutico Especialista em Fitoterapia Clínica pela UFSCar.
Profissional com sólida formação em pesquisa e inovação.
Atua como professor digital na área de fitoterapia.