Planta medicinal Melissa
Autor: Eduardo Maia
  Publicado em: 04/08/2022
  Alterado em: 05/08/2022
Vizualizações: 34


Conheça as propriedades medicinais da Melissa (Melissa officinalis)



NOME BOTÂNICO: Melissa officinalis L.
FAMÍLIA: Labiatae (Lamiaceae)
NOME POPULAR:
Erva-cidreira, melissa, cidreira, cidreira-verdadeira, cidrilha, melitéia, chá-da-frança, limonete, citronla-menor, melissa-romana, erva-luísa, salva-do-brasil, chá-de-tabuleiro.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA:
Herbácea perene, aromática, ramificada desde a base, ereta ou de ramos ascendentes, de 30-60 cm de altura, nativa da Europa e Ásia e cultivada no Brasil. Folhas membranáceas, rugosas, de 3-6 cm de comprimento. Flores de cor creme, dispostas em racemos axilares, produzidas apenas nas regiões de altitude do Sul. Multiplica-se por estacas e sementes.
FITOQUÍMICA:
Na sua composição química é registrada a presença de óleo essencial rico em citral, citronelal, citronelol, limoneno, linalol e geraniol, taninos, ácidos triterpenóides, flavonoides, mucilagens, resinas substâncias amargas, bem como glicosídeos dos álcoois presentes no óleo essencial. A composição do seu óleo essencial é semelhante, até certo ponto, ao de um dos quimiotipos de Lippia alba.
MARCADOR:
A droga vegetal consiste de folhas secas de Melissa officinalis L., contendo, no mínimo, 4,0% de derivados hidroxicinâmicos totais e, no mínimo, 2,0% de ácido rosmarínico (C18H16O8, 360,31) e, no mínimo, 0,6% de óleo volátil.
ALEGAÇÕES:
Cólicas abdominais. Quadros leves de ansiedade e insônia, como calmante suave.
PARTE UTILIZADA: Sumidades floridas.
VIA DE ADMINISTRAÇÃO: Oral.
USO: Adulto.
POSOLOGIA E FORMA DE USAR:
Infusão: 2 a 4g (1 a 2 colheres de sobremesa) em 150 ml (xícara de chá). Utilizar 1 xícara de chá de 2 a 3 vezes ao dia.
FORMULAÇÕES CASEIRAS:
Dores de cabeça; digestiva; cólicas intestinais; ansiedade; nervosismo: em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (sobre mesa) de folhas e ramos frescos ou se cos, bem picados e adicione água fervente. Abafe, espere amornar e coe. Tome 1 xícara (chá) pela manhã e outra à noite.
Calmante; insônia: em 1 xícara (chá), coloque 1 colher (sopa) de folhas e ramos frescos ou secos, 1 colher (sobre mesa) de camomila e 1 pedaço de casca de laranja ou de limão, e adicione água fervente. Abafe durante 10 minutos e coe. Tome 1 xícara (chá) à noite, 30 minutos antes de dormir.
Tônico para a pele cansada do rosto: em um recipiente, coloque 3 colheres (sopa) de folhas e ramos florais, 1 colher (sopa) de alfazema e 1 colher (sopa) de camomila e adicione 1 xícara (chá) de álcool a 50%. Misture bem. Deixe em maceração por 10 dias, em recipiente bem fechado e coe. Aplique com um chumaço de algodão, antes de dormir ou quando estiver com a aparência cansada.
Banho relaxante: coloque 5 colheres (sopa) de folhas e ramos florais picados em 1/2 litro de água em fervura. Desligue o fogo, espere amornar e coe. Adicione à água morna do banho. Faça banho de imersão por 15 minutos, antes de dormir. Após o banho não enxugue, coloque somente uma toalha de proteção ao corpo.
CONTRAINDICAÇÕES:
Não deve ser utilizado por pessoas com hipotiroidismo (redução da função da tireóide).
EFEITOS ADVERSOS:
Utilizar cuidadosamente em pessoas com pressão baixa.
CURIOSIDADE E INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:
O uso de compressas das folhas nas mamas das gestantes, melhora a lactação e evita o entupimento mamário.
Não deve ser confundida com a espécie capim-limão, a qual pertence ao gênero botânico Cymbopogon, ou com a espécie erva-cidreira-brasileira, a qual pertence ao gênero botânico Lippia.
É utilizada como aromatizante na culinária e em licores.
Suas flores atraem um grande número de abelhas e outros insetos, que nelas encontram néctar em abundância.
No Brasil, é raro o surgimento das flores.
REFERÊNCIAS:
BRASIL. Farmacopeia Brasileira. 6ª ed. Volume 2. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa. 2019
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n. 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Diário Oficial [da] União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 mar. 2010d. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2021.
GARCIA, AA. et al. Fitoterapia. Vademécum de prescripción. Plantas medicinales. 3ª ed. 1999.
MATOS, FJA. Plantas medicinais. Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste Brasileiro. 2ª ed. Editora UFC. Fortaleza, 2000.
MILLS, S; BONE, K. The essential guide to herbal safety. Elservier. 2004.
PROPLAM - Guia de Orientações para implantação do Serviço de Fitoterapia. Rio de Janeiro. 2004.
SIMÕES, CMO. et. al. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 5ª ed. Editora da Universidade UFRGS. 1998.
WITCHL, M et al. Herbal drugs and phytopharmaceuticals. A handbook for practice on a scientific basis. 3 ed. Medpharm. CRC Press. Washington. 2004.

Gostou desse conteúdo? Então compartilhe!

Eduardo Maia
Farmacêutico Especialista em Fitoterapia Clínica pela UFSCar.
Profissional com sólida formação em pesquisa e inovação.
Atua como professor digital na área de fitoterapia.